A presença das anfitriãs – aquelas belas moças que recepcionam os campeões em ciclismo de estrada, está com os dias contados. Apesar de ser uma das mais belas imagens, a contar por todos os pontos de um grande evento, e por estar associado as primeiras memórias do esporte, alguns problemas recentes no passado fazem com que os organizadores destes eventos repensem sobre a presença delas.

O Tour Down Under , a corrida australiana que tradicionalmente abre a temporada de ciclismo, foi a primeira prova a tomar a decisão de não coloca-las no pódio na temporada 2018.

Motivados por cenas como o de Peter Sagan – que fingia apertar o “bumbum” de uma delas, ou de Jan Bakelants – que deu uma declaração um quanto duvidosa sobre a índole das mesmas, fizeram com que a supressão das mesmas seja cada vez maior a cada evento.

Mikel Landa disse que a forma com que elas são expostas não é a mensagem que deve ser deixada pelo esporte, dizendo que é “Uma maneira de tratar as mulheres como objetos e subestimá-las”, concordando assim com a posição dada pelos organizadores.

Outras duas importantes provas do calendário ainda não se posicionaram, sendo o Giro d’Italia e La Vuelta a España.

Ao que parece, segue-se uma tendência triste no esporte. Ao meu ver os eventos perdem um pouco de sua essência, motivados por ações isoladas de pessoas que deveriam engrandecer ainda mais o ciclismo.

E você o que acha, concorda com o posicionamento dos organizadores?

Deixe logo abaixo o seu comentário