O 3° EPEL – Ecopedal da Ema Ligeira, promete aumentar a adrenalina e a carga de emoção para os participantes. Muitas inovações aguardam os ciclistas nesta 3° edição.

Banner do 3° Epel

Em sua terceira edição, um dos eventos mais tradicionais do RN traz algumas novidades para os ciclistas que estarão na cidade de Janduís no dia 01 de julho.

Recentemente entrevistei Rodolfo – que é um dos principais organizadores do 3° EPEL,  sobre as expectativas da organização, trajetos, surpresas para os ciclistas e quais os principais pontos em que a organização está focando nesta nova edição.

Filipe: Rodolfo, qual a expectiva da organização do 3° EPEL neste ano de 2018?

Rodolfo: Filipe, estamos trabalhando para que o evento atenda a expectativas dos participantes e que nesta edição pretendemos manter o padrão adquirido nos eventos passados, para que não seja tão diferente dos anos anteriores. Queremos realizar um bom evento, como eu disse focando nas expectativas, mas sabendo que é difícil agradar a todos, pois podemos acabar cometendo algumas falhas. É um evento feito totalmente de ciclista para ciclista, tanto é que todo o “lucro” é investido no ciclismo municipal, afim de que o esporte possa se expandir em nossa cidade. Estamos investindo tempo e dedicação para fazer mais uma vez um bom evento.

Filipe: Sobre as inscrições, como está o andamento? É possível prever um lote extra ou ainda uma prorrogação para o pessoal que não fez a sua?

Rodolfo: A abertura das inscrições foi feita no último dia 01/05 a um custo de R$75,00, com um lote inicial de 200 vagas. Estamos entrando quase na reta final do prazo para a realização das mesmas – ultima semana, mas acredito que no ritmo em que estão, as 200 inscrições fechem antes do dia 01/06.

Quanto a abertura de um lote extra, a organização pensa em faze-lo, mas ainda não é nada certo, pois como você bem sabe, prezamos por um evento pequeno mas bem organizado. Aumentar a quantidade de ciclistas, requer mais esforço de nossa parte e uma maior logística. Queremos um evento sem tumulto, sem filas, com muita fluidez, como vem sendo no EPEL.

Filipe: Por falar em filas, fluidez, número de inscrições limitado, como é que está a questão do trajeto este ano? Sabemos que muita gente dentro de singles, e em pontos de apoio, acabam por dar engarrafamento. Há alguma novidade em relação aos anos anteriores? Muda alguma coisa nesta edição?

Rodolfo: Nas edições anteriores, nós tínhamos o cuidado de “tratar” a trilha, de minimizar um eventual acidente com o participante. Este ano, a trilha ficará mais próxima do natural, de forma que o ciclista possa sair com o sentimento de ter feito algo próximo do verdadeiro MTB. É claro que não estamos buscando dificultar o caminho para ninguém, afinal há pessoas de todos os níveis em um evento como este, mas aquele tratamento VIP que dávamos no trajeto nos anos anteriores, não haverá.

Filipe: Em que isso se traduz? O que iremos esperar então?

Rodolfo: Você encontrará por exemplo, pedras e galhos pelo caminho que a natureza colocou ali e desde que estas não representem um perigo para os participantes. Valas e buracos abertas pela água da chuva, não iremos tapar, como fizemos em outras oportunidades. Como disse, queremos deixar a trilha o mais próximo do real, nada muito perto de apenas um passeio no meio da mata. Estamos buscando uma pegada mais forte esse ano.

Para você ter uma ideia, haverão trechos mais técnicos e mais tranquilos, onde ciclistas com mais experiência irão passar com mais facilidade e rapidez, e os mais novos, poderão ter um pouco de dificuldade ao transpor estes obstáculos. Estamos focando nos singles, mas não é algo fácil pois é necessário abrir caminhos em propriedades de terceiros, o que implica em conversar e buscar autorização. Infelizmente, muitos não apoiam ou não compreendem a importância do esporte. Aqui na região para percorrer um trecho de 5 km, as vezes é necessário falar com vários donos de propriedade, sendo algo bem demorado.

Mas o que posso adiantar é que na largada, e este deverá ser o ponto alto do trajeto no evento, teremos cerca de 8 a 10 km de single, único e muito importante, do qual cerca de 1,5km será de mata fechada passando apenas uma bike por vez. Após passar por este single,  teremos um ponto de apoio em uma comunidade da região, com um som para animar a galera. O restante do percurso será composto por subidas e descidas em estradas vicinais, passagem por paredões de açudes da região, algumas descidas técnicas, com a opção de passar ou não por este obstáculo. Repetiremos alguns pequenos trechos do ano passado com foco nos singles, e por fim finalizando os últimos 5/8 km com estradas carroçávéis e um ponto de apoio, sendo este o mais animado do evento.

Resumo: De 14 a 18 km de single, de 8 a10 de estradão e o restante de belas paisagens.

Filipe: E no geral, o que podemos esperar nesta 3° Edição do EPEL?

Comenda do 3° Epel

Rodolfo: O evento vai seguir a mesma linha dos anos anteriores, mas com algumas mudanças nos pontos em que achamos que poderia haver uma melhora. Por exemplo: A saída e a chegada, serão basicamente no mesmo local, dentro do perímetro urbano.

As travessias na BR que tivemos nos últimos anos, não teremos nesta edição, visando a redução de possíveis acidentes envolvendo ciclistas e carros.

Aumentamos a equipe de fotografia de forma a registrar o máximo de pessoas durante o percurso.

Camisa do 3° Epel

A recepção ao ciclista será em um clube no centro da cidade, um local coberto com banho de cascata para os participantes, mas estamos cientes que não poderá ser tão fresco/ventilado em relação ao balneário – local de chegada nos anos anteriores, por se tratar de um local no centro da cidade.

A alimentação é outro ponto que resolvemos melhorar. Continua sendo terceirizada, mas a equipe que irá fazer o almoço, já possui experiência com eventos deste porte em nossa cidade. Estamos apostando na rapidez, qualidade e em um melhor sabor.

Nosso kit de participação conterá basicamente os mesmos itens do ano passado, mas com um diferencial em relação a ficha de sorteio. Desta vez não distribuiremos a ficha com uma numeração, mas o nome do participante será colocado dentro de uma urna, de forma que na hora do sorteio, seja sorteado o nome e não um número. Tentaremos agilizar ao máximo o sorteio dos brindes desta forma.

Filipe: Um ultimo aviso ou recado para o pessoal?

Rodolfo: Estamos aguardando todos vocês aqui no dia 01 de julho para fazer mais um grande evento aqui na cidade de Janduís.

Deixe logo abaixo o seu comentário