Para quem anda de bicicleta sabe que um dos piores inimigos que podemos enfrentar é o vento. Isto porque sempre que ele aparece a bicicleta fica mais instável, o esforço do ciclista tende a ser maior e assim aumenta o seu desgaste e a sensação de avanço no trajeto passa a ser mínima.

Hoje eu trago algumas recomendações que podem me ajudar a transpor esse obstáculo da melhor maneira possível. Importante lembrar que há vários tipos de vento. Por exemplo o frontal, o lateral fazendo com que a bicicleta saia um pouco do eixo, e até o vento que vem por trás, e nos auxilia a girar mais rápido. Neste artigo vou apenas falar sobre o vento que é mais prejudicial, que geralmente vem pela frente ou pelas laterais por meio de rajadas de vento.

O vento frontal,  via de regra, é o tipo de vento que mais nos atrasa, pois exige que nós venhamos a pedalar em um maior ritmo gastando mais energia. Mas isso não representa um problema do ponto de vista da estabilidade, já que reduzindo a velocidade temos mais controle sobre a bicicleta.

Dos ventos e rajadas laterais, geralmente a coisa fica um pouco mais complicada,  já que embora conseguimos avançar um pouco mais rápido, mudanças repentinas na direção do vento podem fazer com que nós viéssemos a perder o controle da bike mais rápido.

Obviamente ventos laterais e frontais combinados geram um problema muito maior causando muito mais esforço para poder pedalarmos. Algumas dicas:

Vista-se com roupas e equipamentos adequados. As roupas “coladinhas”  que os ciclistas utilizam não é só por uma questão de estética, mas sim por questão de conforto mobilidade e agilidade. Ao enfrentar o vento, quanto mais colada a roupa estiver menor a chance de acontecer o efeito “paraquedas” em que a própria roupa é responsável por realizar um maior arrasto junto ao ciclista. Outro item fundamental é a utilização de óculos, pois com a repentina troca de direção do vento ou ainda com o ganho de sua velocidade a chance de algum objeto cair em seu olho e atrapalhar a condução é muito grande.

Volta-Ciclista-Sao-Paulo-Adriano-Martins

Tome uma posição aerodinâmica. Quanto menor resistência oferecermos ao vento, maior a velocidade e menor o nosso esforço físico. No caso de bicicletas de estrada (conhecidas como speeds) os ciclistas utilizam um recurso chamado “avanço” em que eles flexionam o braço cerca de 90 graus na parte central do guidão. Por consequência, a cabeça, o tronco e as costas a ficaram mais próximo possível do quadro da bicicleta, reduzindo o arrasto do vento. Eu que pedalo no MTB costumo flexionar meus braços em 90 graus, mantendo as mãos na mesma posição do guidão, flexionando assim meu corpo para mais perto do meu quadro, reduzindo o arrasto junto ao vento.

Mantenha a CadênciaManter a cadência é sempre importante, principalmente para psicológico, já que em algum momento podemos nos sentir abalados. Desta forma costumo reduzir as marchas, deixando-as bem leve para que eu consiga pedalar com mais facilidade e com menos esforço, semelhante ao que normalmente fazemos em algumas subidas.

Pedale em grupo. Obviamente “tudo” em grupo ou pelo menos quase tudo é mais fácil em grupo. Neste caso, o primeiro ciclista do pelotão é o que normalmente quebra o vento e assim ele te dará a opção de você ficar logo atrás dele para minimizar os seus esforços. Lembrando que é necessário sempre girar esta posição para que todos os ciclistas possam pedalar gastando o mesmo nível de energia.

Meses atrás coloquei um vídeo sobre como o pelotão a nível de competição, se comporta. Ainda que você não participe de nenhum tipo de competição, os fundamentos aqui mostrados são muito úteis e podem me ajudar no futuro. Clique aqui para ver o video.

 

Deixe logo abaixo o seu comentário