I Ecopedal de Brejo do Bruz

É com esta frase de Dalai Lama que começo o artigo sobre o Pedal de Brejo do Cruz – PB, realizado no último dia 20/12/2015.

Popularmente dizendo, o famoso “pulo do gato” do ciclismo é o fato de você poder “andar” por lugares em que normalmente se passa de carro e não se pode perceber os detalhes nem as mudanças que ocorrem ali constantemente. O que dizer então de lugares que você provavelmente não iria, seja por “n” motivos, mas que carregam histórias e acontecimentos que mereceriam nossa atenção?

I Ecopedal Brejo do Cruz - Igreja

Assim foi o pedal de Brejo do Cruz na Paraíba. Uma cidade pequena e pacata no interior do estado da Paraíba, que tem como filho mais famoso o cantor Zé Ramalho, e olha que apesar de gostar das músicas do cantor, só vim saber disto horas antes do evento. Oh felicidade de pedalar na terra deste homem!

Chegamos na cidade por volta de 05:20 da manhã com uma cara de espanto. Motivo: o café da manhã já estava sendo servido a algum tempo. De início achamos ótimo, já que nossa previsão era de que antes das 06:00 horas nem um pãozinho ia sair – experiência de pedais passados. Mas depois a correria foi para ir atrás do café da manhã (servido à vontade, de forma bem organizada e farta com um ótimo sorriso da equipe de apoio) e voltar correndo para o carro afim de que nós não nos atrasássemos para o inicio do evento.

I ecopedal brejo do cruz

A esta altura do campeonato o locutor estava convocando todos os ciclistas para estarem prontos para a partida as 06:00 da manhã.

Exatamente as 06:00 da manhã a palavra foi passada ao padre da cidade para que pudesse rezar por todos nós, pedindo proteção durante todo o trajeto. Vale lembrar que este era um evento beneficente, onde toda a renda foi doada a igreja da cidade.

Partindo efetivamente as 06:15, passamos por alguns pontos da cidade com a população saudando e prestigiando os ciclistas, até entrar no trecho de terra que nos acompanharia durante os próximos 48 km. Outro ponto positivo foi o início do pedal as 06:00 da manhã, pois assim como o de Caraúbas (Parte 1 e parte 2), quando o sol pensou em nos castigar, já tínhamos rodado uma boa quilometragem.

I Ecopedal de Brejo do Cruz

Logo no início do percurso, 8 km precisamente, encontrávamos o primeiro “mini ponto de apoio”. Até então no mapa entregue pela organização, eu não tinha me tocado sobre a grande sacada. Entre os pontos de apoio principais, a organização colocou paradas em que o ciclista reabasteceria a água, comesse uma fruta, uma rapadura, trocava uns 3 dedos de prosa na sombra com os outros participantes e voltava a pedalar. Em outras palavras, no momento em que você pensava em parar, o corpo a dar sinais de cansaço, uma parada surgia como água no meio do deserto somente para aquela pausa de 5 minutos que você faria abaixo de um pé de árvore no meio da prova. Parabéns à organização, pois escutei vários elogios sobre estas paradas intermediárias. Seria ótimo se em outras provas isto fosse adotado. #ficaadica

I ecopedal brejo do cruz

O trecho foi bastante variado, algo em que já não era possível ver em algumas provas. Descampados, subidas e descidas não tão íngremes, vales, barragem de água, pedreira e single-tracks, tornaram o pedal ainda menos cansativo pois a medida que avançávamos a paisagem mudava. No ultimo ponto de apoio (km 48), um sentimento de “já acabou” ficou no ar entre os participantes, dando a entender que se alguns quilômetros a mais fossem necessários, vários iriam percorre-los sem maiores problemas.

I ecopedal brejo do cruz - Altimetria
I ecopedal brejo do cruz – Altimetria
I ecopedal brejo do cruz - Percurso
I ecopedal brejo do cruz – Percurso

Também no ultimo ponto, uma das surpresas da prova estava guardada. Patrício e sua Fiorino Branca, fazendo AQUELE, repito, AQUELE caldo-de-cana na hora. Esqueci o que tinha no ponto de apoio, meus olhos focaram naquele combustível verde, aquele “néctar produzido pelos deuses” e fiquei no pé da máquina, esperando só uma nova jarra de caldo sair para tomar um novo copo. Nesta brincadeira, que eu contei, foram 5 copos com gelo. Se acha que o meu foi exagero, um dos meus colegas apareceu com a squeeze do evento cheia de caldo na chegada da prova. Pra quem gosta, foi algo que surpreendeu a todos. Acho que não deu pra quem quis!

Apenas 9 km após este ponto de apoio, nós nos encontrávamos aos “pés” da “pedra de turmalina e no terreiro da usina” citados na musica Avohai de Zé Ramalho, sentados abaixo de várias mangueiras, curtindo um show de uma banda local com um repertório super animado, enquanto aguardávamos o restante dos participantes chegar.

I ecopedal brejo do cruz - Almoço

O almoço foi servido por volta das 11:30 da manhã, acompanhados da simpatia da equipe de apoio. Almoço este, muito bem feito e saboroso.

Uma surpresa que tive, foi ao receber a comenda por parte da organização. Indagado se eu era evangélico, me foi informado que existiam duas comendas. Foi mais um fato que me ocorreu para demonstrar o cuidado que tiveram ao elaborar o evento. Em uma estava presente a foto da Padroeira e na outra comenda, uma foto do pedal à substituía.

Apesar de não ter piscina, os organizadores improvisaram uma caixa de 1000 litros para os ciclistas tomarem banho e se refrescar do calor que estava tomando conta da cidade. Mas tenho certeza que o dia pode ter sido “nosso”, mas que ninguém aproveitou mais o banho do que as figurinhas ilustres abaixo.

I ecopedal brejo do cruz - Criançada

Mais uma vez parabéns aos organizadores, à equipe de apoio e aos ciclistas que fizeram deste pedal, mais um grande evento. Nos vemos no próximo pedal em Icapuí.

Confira as fotos e vídeos do I Ecopedal de Brejo do Cruz – PB:

 

Deixe logo abaixo o seu comentário