A prática de atividade física é sempre bem-vinda, em qualquer época da vida. Na terceira idade, contudo, a escolha do exercício a ser realizado precisa ser um pouco mais criteriosa, já que alguns agravos à saúde e certas limitações do corpo precisam ser levados em conta. Treino que estabelece poucas restrições, o ciclismo para idosos é altamente recomendado por trazer benefícios ao corpo e à mente.

Benefícios do ciclismo para idosos

O avanço dos anos traz consigo a perda progressiva de massa muscular, o que provoca a diminuição da força e, consequentemente, da capacidade funcional. Em pessoas sedentárias na faixa dos 50 aos 70 anos, esta perda pode ser de 15% a cada 10 anos. A partir dos 70, este percentual negativo pode acumular 30% a cada década. A melhoria da resistência dos músculos, sobretudo dos de coxas, panturrilhas, glúteos e abdômen, se dá a partir de treinos de força muscular, uma das características do ciclismo para idosos, prática que, da mesma maneira, traz benefícios para quem sofre de osteoporose à medida que também contribui para o aumento da massa óssea. O esporte também otimiza o consumo de oxigênio, incrementando a frequência cardíaca, o volume sistólico (quantidade de sangue bombeada pelo coração em cada contração) e o débito cardíaco (montante de sangue bombeado pelo coração por minuto). Ademais, amplia a flexibilidade articular.

Ciclismo para idosos retarda envelhecimento

Assim como outras atividades físicas, o ciclismo para idosos ajuda a retardar certos efeitos do envelhecimento, como a redução da estatura e da flexibilidade, principalmente. O aperfeiçoamento da noção de equilíbrio, que com a idade fica comprometido, é mais uma vantagem atribuída ao esporte. O ciclismo para idosos facilita a queima de gordura, o que pode impactar na redução de níveis de colesterol. Também é relacionado ao alívio de sintomas de estresse e hipertensão. Esporte que incentiva a socialização ao convidar os praticantes a passeios e competições, logo, a conhecer pessoas novas, o ciclismo para idosos contribui à redução do isolamento social e a depressão.

Fonte: Vivo Mais Saudável

COMPARTILHAR
Artigo anteriorScott divulga seu catalogo 2017
Próximo artigoUma voltinha no DH mais perigoso do mundo
Filipe
Entusiasta e "praticador" de esportes. Aprendeu a nadar ainda criança e descobriu o ciclismo graças ao pai, que ainda cedo o levava para passear na cidade. Desde então, sempre que pode, dá uma voltinha de bicicleta.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe logo abaixo o seu comentário